Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

                    O 3º Esquadrão de Aviação do Exército (3º Esqd Av Ex) foi criado e organizado pela Portaria Ministerial Nº 062/Res, de 17 de agosto de 1993, com sede em Taubaté e subordinado ao 1º Grupo de Aviação do Exército.
Efetivamente, a unidade foi criada em março do ano seguinte, quando já foi incumbida de sua primeira missão.
Em colaboração com o Governo do Estado do Paraná, participou, com uma aeronave Pantera, da colocação de um reservatório elevado de 20.000 litros na Ilha de Superagui, no município de Paranaguá, o que permitiria o abastecimento de água para a comunidade da região.
                     Ao ser criado, o 3º Esqd Av Ex foi, originalmente, incumbido da missão de voar e operar as aeronaves do modelo AS 365 K, ou simplesmente Pantera. Em 2001, recebeu do então 1º Esqd Av Ex quatro aeronaves AS 550 Fennec. Pela Portaria Nº 898, de 20 de dezembro de 2004, foi alterada sua denominação, a partir de 1º de janeiro do ano seguinte, para 3º Batalhão de Aviação do Exército (3º BAvEx).
                     O Comandante do Exército, por meio da Portaria Nº 268, de 25 de abril de 2008, alterou a sede do 3º BAvEx para a cidade de Campo Grande- MS, para passar a atuar junto ao Comando Militar do Oeste. As diretrizes para a implantação foram reguladas pela Portaria Nº 039-EME, de 28 de abril de 2008, a qual recebeu nova redação pela Portaria Nº 169-EME, de 30 de novembro de 2010, antecipando a transferência do Batalhão para Campo Grande para 2011. A transferência do Batalhão Pantera teve início em fevereiro de 2009, com a ativação de um Destacamento que contou com 6 aeronaves HA-1 Fennec e um efetivo de 90 militares especialistas em aviação. O local a ser ocupado era próximo ao aeroporto de Campo Grande, e ali se iniciaram as obras para a instalação da Unidade. A conclusão da transferência ocorrerá gradativamente nos próximos anos, até que todo o efetivo, de aproximadamente 391 militares e 16 helicópteros, esteja operando a partir de Campo Grande.
                     O 3º BAvEx tem como missão principal, definida para atender às necessidades operacionais do Exército Brasileiro, proporcionar eficiente apoio aéreo (aeromobilidade) ao escalão da força terrestre enquadrante, cumprindo operações aeromóveis de combate, apoio ao combate e apoio logístico.
Cumpre missões de Defesa da Pátria, Garantia dos Poderes Constitucionais, Garantia da Lei e da Ordem e ações em conjunto com outros órgãos públicos federais ou estaduais.
                     As cinco subunidades do Batalhão Pantera executam suas atividades específicas de acordo com suas peculiaridades de emprego. É formado pela Esquadrilha de Helicópteros de Emprego Geral (EHEG), que emprega as aeronaves HM-1 Pantera; Esquadrilha de Helicópteros de Reconhecimento e Ataque (EHRA), que emprega as aeronaves HA-1 Fennec; Esquadrilha de Manutenção e Suprimento (EMS), responsável pela constante manutenção das aeronaves da Unidade; e, pela Esquadrilha de Comando e Apoio (ECAp), responsável por garantir a segurança física e material do Batalhão.
                     Por fim, após a chegada de diversos militares transferidos das Unidades da Guarnição de Campo Grande, foi criada a Base Administrativa.
Devido aos poucos meios atuais recebidos (helicópteros) e para reduzir os cargos e encargos administrativos, a EHEG e a EHRA funcionam como uma única subunidade e formam a Esquadrilha de Helicópteros. As demais subunidades funcionam normalmente.
                     O 3º BAvEx, diretamente subordinado ao Comando Militar do Oeste,é empregado em proveito da 4ª Bda C Mec, 13ª Bda Inf Mtz e 18ª Bda Fron. Também participa de diversas missões de caráter humanitário e de operações em apoio a órgãos públicos, tais como: Polícia Federal, na região da fronteira com a Bolívia e Paraguai; Polícia Federal; IBAMA e Força Nacional, no combate às extrações ilegais de madeira em área de preservação ambiental e em reservas indígenas.
                     Por estar ainda em implantação, o Batalhão Pantera é constituído por 58 por cento do pessoal previsto. Suas atuais e recém-construídas instalações são compostas pelo pavilhão de comando, um pavilhão de alojamento, um rancho. Estão em fase de conclusão o hangar operacional, o pátio de formatura e o Corpo da Guarda. Para este ano, está prevista a conclusão das obras de mais um pavilhão de alojamento, do pavilhão da ECAp e das instalações da Base Administrativa, incluindo a garagem para viaturas.
                     Ao completar sua “maioridade”, o Batalhão Pantera enaltece o trabalho silencioso de todos os militares que fizeram parte de suas fileiras nesses 18 anos de existência. Juntamente com as demais unidades aéreas, tem a honra de ter construído a imagem vitoriosa e exitosa da Aviação do Exército. Veja mais aqui...

 


 

Fim do conteúdo da página