Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Pacificador

Publicado: Quinta, 05 de Julho de 2018, 19h47 | Última atualização em Sábado, 07 de Julho de 2018, 16h28 | Acessos: 2382

O Pacificador - COp é um sistema de Comando e Controle (C2) com a finalidade de apoiar operações de GLO e de defesa/segurança de Grandes Eventos, possibilitando a formação da consciência situacional, a sincronização das ações entre os elementos envolvidos, bem como o tratamento de incidentes ocorridos. Ele baseia-se no conceito de um Centro de Operações (COp), constituído por estrutura física e por pessoal, por sua vez composto de operadores fisicamente localizados nas próprias instalações do COp e agentes móveis.

Utilizado em:

 


“Percepção precisa dos fatores e condições que afetam a execução da tarefa durante um período determinado de tempo, permitindo ou proporcionando ao seu decisor estar ciente do que se passa ao seu redor e assim ter condições de focar o pensamento à frente do objetivo. É a perfeita sintonia entre a situação percebida e a situação real.”

(MD35-G-01 - Glossário das Forças Armadas)

Para se atingir essa sintonia, o Pacificador dispõe dos ambientes de Cenário e de Relatos, por onde é possível, o responsável da operação, ter a perfeita percepção de todos os eventos que estão ocorrendo em tempo real, e para que essa percepção seja alcançada, o Pacificador dispões de 7 elementos principais:

Os Incidenets estão mais detalhados na seção Tratamento de Incidentes e as ações e matrizes em Sincronização das Ações, os demais conceitos estão detalhados abaixo:

 


Pode-se definir um agente como uma pessoa ou grupo de pessoas que fazem parte da operação de GLO. Dentre estes, destaca-se no ambiente Cenário os agentes móveis, que são aqueles que têm sua posição como dado relevante para a obtenção da consciência situacional, por exemplo um comboio, um batedor, etc. A localização dos agentes, é obtida pelo Pacificador através do geoposicionamento de um Rádio ou Smartphone rodando o Pacificador Móvel.

Existem 6 modos de operação que um agente pode possuir:

  •  Agente de Segurança
  •  Comboio
  •  Batedor
  •  Escolta Aérea
  •  Embarcação
  •  Ponto de Segurança

 


O recurso de áreas no Pacificador está presente com o intuito de demarcar regiões que sejam de interesse para a operação e que possam influenciar em seu processo decisório, como por exemplo uma zona de ação, uma construção, uma área afetada, etc.


O recurso de pontos de interesse visa a possibilidade de se fixar um pino no mapa para demarcar um ponto que seja de interesse para a operação, como por exemplo uma construção, um ponto de encontro, um ponto de controle, etc.

Itinerários são trajetos previstos ou conhecidos que serão usados na operação, como rotas de escolta, percursos alternativos, etc.

Um relato de situação é qualquer informação que um agente julgue relevante o registro ou notificação ao COp, mas que não necessite de tratamento, como por exemplo uma informação de acompanhamento. Esses relatos são feitos através'do Pacificador Móvel e disponíveis tanto no ambiente Cenário no menu de Agentes, quanto no ambiente específico de Relatos.


“Elemento importante no planejamento, que se refere ao arranjo de ações militares no tempo, no espaço e em termos de propósito, destinado à produção de um poder relativo máximo em um dado lugar e em um dado momento, decisivo[...] Um plano de sincronização bem concebido e executado é capaz de permitir que forças inferiores se sobreponham a forças superiores.”

(MD35-G-01 – Glossário das Forças Armadas)

O comandante de uma operação, deve possuir a capacidade de sincronizar todas as ações executadas de uma operação, podendo planejar o tempo de execução de cada uma, além de controlar seu estado ao longo do tempo. Nesse sentido surge o conceito da Matriz de Sincronização, que nada mais é que um conjunto de Ações, distribuídas ao longo de uma Linha do Tempo. Para este objetivo o Pacificador dispõe do ambiente de Sincronização.

A principal função da Matriz de Sincronização está em retratar as atividades previstas desde o início até o final do evento acompanhado. É o caso do transporte de delegações, recepção de autoridades, segurança, premiações, etc. Tudo pode ser monitorado através da matriz, que reúne ações de agentes ou COps específicos.

As Ações possuem um ciclo de vida baseado em estados, onde inicialmente ela está como "Planejada", podendo vir a se tornar, por dependência temporal (transição automática), uma ação "Iminente" ou "Atrasada". Ao se iniciar essa Ação, seu estado passa para "Em Execução", e por fim, ao seu término passa a ser "Concluída". Este ciclo está representado na figura abaixo:

Os mesmos estados são válidos para uma Matriz, a diferença é que esta tem o seu estado definido como o de pior caso dentre suas ações, por exemplo, caso exista uma única ação "Atrasada" a matriz em que essa ação está contida constará também como "Atrasada".

Um Incidente é qualquer evento não planejado que possa comprometer a segurança do evento, requerendo tratamento adequado, e estão presentes no Pacificador como elementos de controle, que surgem à medida que os problemas são percebidos, e devem receber os tratamentos adequados para que possam ser fechados. A principal diferença para os Relatos de Situação, são que estes, a princípio, não requerem tratamento, enquanto os incidentes necessitam. O processo de relato de um incidente pode ser feito a partir de uma localização geográfica, pelo ambiente de Cenário, ou sem a localização pelo ambiente de Incidentes.

Um incidente pode se encontrar em três estados distintos:

Incidente Aberto



Este tipo de incidente foi relatado, mas nenhuma ação foi realizada para tratá-lo — ou foi realizada, porém não cadastrada.

Incidente Tratado



Já foram realizadas e cadastradas ações para resolvê-lo, mas ainda há providências a serem tomadas.

Incidente Fechado



Todas as providências cabíveis foram tomadas e registradas, de forma que o incidente não necessita mais de atenção.
Por padrão, incidentes nesta situação não são exibidos, mas é possível alterar este comportamento.





 

Tela de Login

O login é a primeira tela que se encontra ao acessar o Pacificador:

Após executar o login, o usuário irá se deparar com a interface do Pacificador, com o menu de ambientes e do usuário logado:

Menu de Ambientes

Através deste menu, é possível acessar os diferentes ambientes do Pacificador:

(*)Só acessíveis pelo administrador.

Menu do Usuário

Através do Menu do Usuário é possível sair da aplicação e realizar a alteração da senha do usuário.


 

O ambiente Cenário é o responsável no Pacificador pela construção da consciência situacional através da disposição dos elementos no terreno.
Nele podem ser visualizados os agentes e os incidentes, suas localizações, seus relatos de situção, seus trajetos, etc.

Existem seis tipos de visualização para o usuário escolher no ambiente "Cenário" do Pacificador conforme descrito abaixo.

As ferramentas de navegação são as responsáveis pela manipulação da visualização dos mapas:


Nos direcionais  é possível mover o mapa (funcionalidade também disponível com o arraste do mouse); Nas ferramentas de zoom, é possível aumentar o nível de detalhe do mapa (Zoom In ) e diminuir (Zoom Out ), funcionalidade também disponível com o botão de rolagem do mouse. É possível retornar à configuração inical de zoom e posição clicando no globo  da ferramenta de zoom. O zoom de área  é utilizado para se aumentar o nível de detalhe de uma área selecionada.




Em qualquer lugar do Pacificador que forem exibidas coordenadas de latitude e longitude, é possível trocar entre uma representação decimal ou sexagesimal (em graus, minutos e segundos), para isso basta clicar no campo que esteja exibindo as coordenas e depois mover o cursor do mouse:

A ferramenta de desenho possui quatro opções. Relatar incidente, desenhar itinerário, desenhar área de interesse e inserir arquivo KML ou KMZ:

Através do ambiente Cenário, é possível relatar um incidente com localização geográfica. Para isso, clique no botão , na ferramenta de desenho:

Selecione com o cursor do mouse a posição no mapa na qual o incidente aconteceu.

Será mostrado uma tela para relatar o incidente. Nesta tela informe o incidente, a data que ocorreu e sua descrição caso possua e clique em  para confirmar.

Será exibido no mapa o incidente com seu respectivo nome.

Para marcar um Ponto de Interesse com localização geográfica, clique no botão , na ferramenta de desenho:

Selecione com o cursor do mouse a posição no mapa onde deseja posicionar o ponto.

Será mostrado uma tela para inserir os dados relativos ao Ponto de Interesse. Nesta tela informe o nome e a descrição caso possua e clique em  para confirmar.

Será exibido no mapa o novo Ponto de Interesse com seu respectivo nome.

Para desenhar um itinerário no mapa, clique no botão , na ferramenta de desenho:

Cada clique no mapa irá setar um ponto do itinerário, e desenhar um segmento do mesmo:

Para finalizar o desenho basta dar um duplo clique, e uma tela aparecerá para ser inserido o nome do itinerário e a cor desejada para o mesmo:

 

Para confirmar basta clicar em  e o itinerário passará a ser visível no cenário na cor selecionada:

Para desenhar uma área no mapa, basta clicar no botão , na ferramenta de desenho:

Cada clique no mapa irá setar um novo vértice da área:

Para finalizar o desenho basta dar um duplo clique, e uma tela aparecerá para ser inserido o nome da área e a cor desejada para a mesmo:

 

Para confirmar basta clicar em  e a área passará a ser visível no cenário na cor selecionada:

Para adicionar um KML/KMZ no mapa, basta clicar no botão , na ferramenta de desenho:

Será exibida uma tela para inserção do nome do KML/KMZ e do arquivo KML ou KMZ a ser importado.

Clique em  para confirmar e o KML/KMZ será mostrado no mapa.

O Painel de Informações situa-se no extremo direito do ambiente Cenário e nele é feito todo tipo de controle e edição dos elementos deste ambiente.

Para acessar o painel de informações dos incidentes, basta clicar em  no painel de informações, ele se apresentará como mostrado abaixo: 

Nessa lista é possível encontrar um incidente pela busca textual, e centralizá-lo no mapa clicando em .

Clicando em um incidente nessa lista, serão abertos os detalhes do mesmo:

As opções aqui presentes são as mesmas da barra lateral do ambiente de Incidentes, com exceção da alteração da localização geográfica, que só está presente no ambiente cenário. Para alterar a localização de um incidente, ou adicionar uma caso ele não possua, basta clicar em  e clicar no local do mapa desejado.

O painel de informações dos agentes permite visualizar os agentes plotados no mapa, que têm suas posições rastreadas pelo sinal de seus rádios ou smartphone com o Pacificador Móvel. Para abrir esse painel basta clicar em  no painel de informações, ele se apresentará como mostrado abaixo:


Nessa lista é possível encontrar um agente pela busca textual, e centralizá-lo no mapa clicando em . Também existe a opção de alterar a visibilidade de um agente pelos botões de visibilidade:

  • : Agente visível
  • : Agente escondido
Para alterar entre um ou outro basta clicar em seu botão de visibilidade. 

O botão de rastreamento fica desativado , quando é clicado o botão é exibido da seguinte forma: 
Quando ativado é exibida a área de configuração do rastreamento:
Nela deve-se indicar o período de rastreamento do agente. Não é possível exibir informações de rastreamento superiores a 7 dias.

 




Detalhes de um agente

Clicando em um agente específico dessa lista, serão abertos os detalhes do mesmo:

Modo de operação

Além das informações relativas ao agente, nessa tela é possível alterar o modo de operação do agente, para isso basta clicar no ícone do modo de operação do mesmo, que as outras opções serão exibidas para escolha:

Acompanhamento

Existe a opção de acompanhamento de um agente, se ativada o ambiente Cenário irá manter o mesmo sempre no centro da tela:

  • : Agente com acompanhamento ativado
  • : Agente com acompanhamento desativado

 

Relatos de Situação

Caso o agente tenha feito algum relato, ele parecerá no campo "Relatos de Situação":

O painel de informações dos pontos de interesse, itinerários, áreas e KML/KMZ são bem semelhantes, neles é possível ver os elementos presentes no mapa e realizar algumas operações descritas abaixo, para acessá-los basta clicar em seu ícone correspondente no painel de informações:

  • : Pontos de Interesse
  • : Itinerários
  • : Áreas
  • : KML/KMZ

 

Ao clicar em uma dessas opções, será aberta sua barra lateral correspondente, abaixo se encontram imagens das barras laterais de itinerários, áreas e KML/KMZ, respectivamente.


   

Nessas listas é possível encontrar um item pela busca textual, e centralizá-los no mapa clicando em . Também existe a opção de alterar a visibilidade dos itens pelos botões de visibilidade:

  • : Item visível
  • : Item escondido
Para alterar entre um ou outro basta clicar em seu botão de visibilidade. Além disso, para deletar um item deve-se clicar em  e confirmar na janela seguinte clicando em 
   

 

Para se reduzir a poluição visual do ambiente cenário quando houverem muitos elementos na tela, o Pacificador dispoe do recurso de clusterização, que nada mais é que o agrupamento de elementos semelhantes, quando muito próximos em um determinado nível de zoom, em um único item.

O cluster é representado pelo ícone , onde o número no centro do círculo indica quantos elementos se encontram agrupados neste cluster e a cor representa o tipo dos elementos agrupados:

  • Agentes: 
  • Pontos de Interesse: 
  • Incidentes*:  

(*)A cor do cluster de incidentes é determinada pelo incidente de menor tratamento contido no cluster, o seja, um único incidente não tratado, tornará o cluster vermelho, se houver apenas incidentes em tratamento e tratados será amarelo, e só será ver caso o cluster contenha apenas incidentes já tratados.

Clicando em , no canto inferior-direito da tela, o usuário poderá filtrar as os conteúdos de acordo com o seu COp, e filtrar os incidentes baseando-se nos estados de um incidente.

Nesse menu, é possível alterar o tamanho dos símbolos exibidos no mapa através do item "Tamanho dos símbolos" e a opacidade das Áreas através do item "Opacidade das Áreas":

 
  
 
 

O ambiente de sincronização possui duas formas de visualização, em "Linha do Tempo" e em "Tabela", para alternar entre esses 2 modos, usa-se a chave seletora , onde a opção em azul é a selecionada. Abaixo estão apresentados estes dois modos:

Nesta tela também é possível realizar a navegação pelas matrizes existentes e a filtragem das matrizes.

Para se criar uma nova matriz basta clicar no botão  e uma bara lateral será aberta nos moldes abaixo:

Clique em  e a matriz será criada. Ao ser criada, automaticamente será aberta a tela dessa matriz:

A tela de uma matriz, é análoga à tela inicial da sincronização, mas ao invés de se apresentar as matrizes em uma Linha do Tempo ou Tabela, ela apresentará as ações pertencentes a essa matriz para seu acompanhamento, filtragem, pesquisa, etc. Para se retornar para a tela inicial basta clicar em . Esse ambiente pode ser acessado também ao se clicar em uma matriz na tela inicial.

Os dados de uma matriz podem ser editados a qualquer momento clicando em , ao se editar a data e hora do evento de referência, todas as suas ações tem sua data e hora alteradas na mesma proporção. Para excluir uma matriz, basta clicar em  e confirmar a exclusão:

A clonagem de uma matriz é a exata cópia da mesma, de todos os seus dados e ações. Ao clicar no botão  é aberta uma tela análoga a de criação e uma matriz, mas com os dados já preenchidos com os da matriz clonada, podendo ser alterados.

A alteração da data e hora do evento de referência resulta na alteração na data e hora de todas as suas ações na mesma proporção.

Para se adicionar uma ação, clique no botão , no ambiente da matriz. Será exibida à direita uma barra lateral para a criação.

Os campos para preenchimento são:

  • Título: título que define a ação;
  • Tipo:
    • Intervalo: a ação tem início e fim: Ex: Partida de futebol (16:00 – 18:00);
    • Pontual: a ação é definida por um marco temporal. Ex: Início de uma partida de futebol.
  • De: data e hora do início da ação;
  • Até: data e hora do término da ação;
  • No caso de ação pontual, os campos "De" e "Até"" são substituídos por "Data";
  • A cargo de: agente ou COp responsável pela ação;
  • Informações Complementares: descrição da ação.

 

Clique em  para confirmar e a ação estará inserida na matriz. As ações destinadas a um agente em campo, smartphone com Pacificador Móvel, serão visualizadas pelo mesmo.

Após a ação ser criada ela será representada na Linha do Tempo da Matriz por um retângulo caso se trate de uma ação de Intervalo, ou por um círculo caso seja uma ação Pontual.

Clicando sobre uma ação será aberto o seu menu de informações:

Nesse menu é possível realizar a edição da ação através do botão , e a exclusão dela pelo botão .

Clicando em , a ação será dada como iniciada, como explicado no Ciclo de Vida de uma Ação, alterando sua representação. O menu também sofrerá a seguinte alteração:

Note que sugiram 2 novos botões no lugar do de inicialização. Clicando em  a ação será dada como concluída, e o botão  devolverá à ação o estado de Não Iniciada.

Clicando no botão  no ambiente de exibição de Matrizes, o usuário poderá acessar a tela do ambiente de Ações unificadas. Nesta tela serão exibidas as Ações de todas as Matrizes em uma única tabela.

Serão exibidas cem ações por página, sendo necessário alternar entre as páginas através dos botões de paginação.

 

Para voltar ao ambiente de Matrizes, basta clicar no botão 

 

Clicando em , no canto inferior-direito da tela, o usuário poderá filtrar as matrizes ou suas ações por seu Cop, ou pelo seu status baseado no Ciclo de Vida de uma Ação.


O ambiente "Incidentes" é onde se faz o gerenciamento dos incidentes relatados, ele se apresenta na estrutura abaixo:

É possível se relatar um incidente pelo ambiente de Incidentes, como exposto abaixo, sem informações geográficas, ou pelo ambiente Cenário, com informações geográficas.

Clique no botão , e uma barra lateral será exibida:

Preencha os dados e clique em "OK":

Para imprimir o relatório de todos os incidentes cadastrados, clique no botão .

Ao clicar em algum incidente da lista, surge a barra lateral, que é por onde o usuário pode ver os detalhes de um incidente e editá-los.

As funcionalidades disponíveis na barra lateral estão descritas abaixo:

Ao clicar no botão , um relatório do incidente selecionado será gerado nos moldes abaixo:

Para excluir um incidente, é necessário que o mesmo não possua nenhuma ação relatada, ou seja, ele ainda se encontre no estado de"Incidente Aberto", além disso a operação só é possível para um usuário com permissões de operador, chefe ou administrador e o incidente deve pertencer ao seu COp. Caso essas restrições sejam cumpridas, basta clicar em  após isso clicar em OK na tela de confirmação:

No canto superior direito da barra lateral, existe um dropdown , onde pode-se alterar a prioridade de um incidente: 

 

O menu de imagens permite relacionar imagens a um determinado incidente. Toda imagem associada é visível na lista, independente do usuário que a adicionou e do meio utilizado (computador ou smartphone).

Para se adicionar uma imagem deve-se clicar no ícone "+", ao lado da lista, e selecionar a imagem, que passará a constar na lista:


Um incidente com imagens associadas, passa a ter um ícone  em seu nome na lista:

Ao clicar na imagem na lista, a mesma será ampliada:

Para registro das providências tomadas em relação a um incidente, deve-se descrever as ações no campo "Ações Realizadas" e clicar .

O registro de ações está associado aos estados possíveis de um Incidente.

Ao se registrar uma ação, a mesma fica registrada como demonstrado na imagem abaixo, com a informação de quem que a realizou, e caso seja a primeira ação tomada, muda seu estado de aberto  para tratado . E a partir deste momento é possível fechar o incidente clicando em :

 

Quando for necessário, é possível que um COp torne-se responsável por um incidente relatado por um COp subordinado. Esta funcionalidade de capturar um incidente é disponível apenas para usuários com permissão de chefe. No exemplo abaixo, um usuário com permissão chefe do COp CCDA-BSB, captura um incidente que era responsabilidade do COp EsCom, seu subordinado. Para isso, o usuário deve clicar em .

 

Após o processo de captura, o incidente passa a estar a cargo do CCDA–BSB, ou seja, o COp do usuário chefe. A partir disto, o incidente não será mais visível aos usuários do COp EsCom.


No ambiente "Relatos" é possível obter uma lista das situações relatadas por agentes, e apresenta-se da seguinte forma:

O relato de situações é feito pelo Pacificador Móvel, e a maior parte de suas funcionalidades estão no ambiente Cenário.

Assim como nos Incidentes, é possível associar uma imagem ao Relato, e para visualizá-la, basta clicar no ícone .


O ambiente Rádios está disponível apenas para usuários com perfil de administrador. Nele é possível monitorar o estado da conectividade entre Pacificador e integradores, e o estado dos integradores.

Dois componentes são os principais responsáveis por fazer a comunicação entre os rádios e o sistema Pacificador:

  1. SRDT (Sistema de Radiocomunicação Digital Troncalizado): sistema da Motorola responsável por agregar as informações (localização, status, ...) de todos os rádios de sua responsabilidade;
  2. Integrador: sistema desenvolvido pelo CDS que é responsável por integrar o Sistemas Pacificador e o SRDT, o mesmo coleta as informações dos rádios através do SRDT e repassa para o Sistema Pacificador;

 

A arquitetura segue o esquema abaixo, onde os rádios se comunicam com as repetidoras, que realizam o roteamento das informações até o SRDT. O Integrador faz o papel de ponte comunicando o sistema Pacificador com o SRDT :

 

Existem 2 tipos de problemas que podem ser identificados no ambiente de Rádios: um problema com o integrador e um problema de conectividade, quando o integrador não consegue se comunicar com o SRDT.

 

Em ambos os casos o problema é indicado por uma janela de alerta, indicando qual integrador apresentou a falha. Esta janela pode ser fechada, mas enquanto a pendência não for resolvida, um botão ficará visível no canto superior esquerdo do ambiente.


O ambiente de administração de usuários do sistema é o local em que são definidas as diretivas de acesso ao sistema para que os usuários obtenham permissão de ObservadorOperadorChefe ou Administrador.

Ao clicar no botão , uma barra lateral será aberta solicitando os dados do novo usuário:

Faça o preenchimento de todos os campos obrigatórios do formulário (com a borda em vermelho) de acordo com o perfil de cada usuário e clique no botão  para confirmar o cadastro.

Os campos CPF e E-mail devem ser únicos, isto é, não é permitida a duplicidade destes campos, caso isso ocorra a operação de criação não será bem sucedida.

O campo Permissão possui as seguintes opções:

  • Observador: acessa o sistema sem inserir nenhuma informação;
  • Operador: acessa o sistema e pode inserir novas informações. Não administra usuários;
  • Chefe: possui as permissões de um operador, além disso, pode mudar o estado de uma ação e capturar um incidente;
  • Administrador: acesso completo ao sistema, inserindo novas informações e administrando usuários.

 

Ao final da criação do usuário, este virá com uma senha pré-determinada: pacificador. É aconselhado realizar a troca da senha no primeiro acesso.

Na tela de usuários cadastrados selecione um usuário:

Será exibida a tela de edição de usuário:

Nela é possível alterar os dados e clicar em  para confirmar.

  • Com exceção do campo CPF, todos os campos podem ser editados;
  • Ao atualizar o campo COp, é possível que o usuário não continue visível devido às restrições do filtro.

Para excluir o usuário selecionado, basta clicar em  e confirmar a exclusão na janela seguinte:

É possível também redefinir a senha do usuário através do botão . Após a redefinição a senha desse usuário volta para a pré-determinada: pacificador.


O ambiente COp, é o local onde são geridos os Centros de Operações que participarão da operação. Nele é possível criar e editar COps quanto ao nome, informações e hierarquia.

Ao clicar no botão , uma barra lateral será aberta solicitando o COp superior ao novo a ser criado, o seu nome, e opcionalmente informações adicionais:

Após o preenchimento clique no botão  para confirmar o cadastro.

Na tela de COps cadastrados, clique no COp cujas informações deseja alterar, e a barra lateral aparecerá:

Nela é possível alterar as informações do COp e para confirmar basta clicar em :

Para exlcuir COp deve-se clicar em  e confirmar:

Esta ação implica que todos os usuários pertencentes a este COp, além das informações de sua responsabilidade (incidentes e matrizes de sincronização, por exemplo), serão passados ao controle de seu escalão superior.


Com objetivo de orientar e facilitar o uso do Pacificador, a seguir é definida a classificação de usuários, categorizados de acordo com as funções necessárias durante uma operação. A partir desta divisão, são apresentadas as atribuições e um guia boas práticas que podem ser seguidas, ambas visando garantir o correto uso do sistema.
O conhecimento das funções e atribuições dos usuários do Pacificador, aliado à observância das orientações de boas práticas, é primordial para garantir tanto o correto uso quanto o desempenho do sistema. Estes fatores do sucesso são apresentados a seguir.

Os itens abaixo são recomendações para o melhor funcionamento e experiência de uso do Pacificador:

  • Utilize apenas navegadores Mozilla Firefox ou Google Chrome. Nunca utilize Microsoft Internet Explorer;
  • Verifique as configurações de proxy do navegador;
  • Verifique as conexões de rede;
  • Quando acessar o sistema via smartphone ou tablet, utilizar o aplicativo Pacificador Móvel ao invés do navegador;
  • Verifique as configurações mínimas dos smartphones:
    1. Sistema Operacional: Android 4.0.0
    2. Processador: 1Ghz
    3. Memória
      • Memória RAM: 512 MB
      • Memória Interna: 1 GB
      • Cartão de Memória: 8 GB MicroSD
    4. Câmera
      • Resolução: 5 MP
      • Flash: LED
      • Foco: automático
    5. Conectividade
      • GSM 850/900/1800/1900, HSDPA 7.2 Mbps, HSUPA 2.0 Mbps, EDGE Classe 12, GPRS Classe 12, eCompass/aGPS
      • WIFI: 802.11 b,g,n;
      • USB: 2.0 (Alta Velocidade), com conector Micro USB
    6. Alimentação: bateria Íon de Lítio, de 1700 mAh
    7. Receptor GPS interno
    8. Carregador Veicular
  • Verifique as especificações das estações de trabalho:
    • Processador Intel Core i3 ou superior;
    • Memória: 2 GB RAM ou superior;

Funcões de usuários do Pacificador

Os usuários do Pacificador, de acordo com suas atribuições e permissões de uso, são classificados em chefe, administrador, operador e observador. Cada um destes itens é descrito detalhadamente a seguir.

  • Chefe: Usuário responsável, entre outras atividades, pelo gerenciamento dos dados referentes às operações, garantindo que os incidentes, itinerários, áreas de interesse, matrizes e ações estejam refletindo o estado real das operações. Normalmente esta função é ocupada pelo Oficial de Comunicações do escalão considerado (Brigada, Divisão de Exército), por um elemento de Estado-Maior (E6, D6), ou pelo comandante de OM técnica (CT/CTA). O chefe é o usuário que possui o entendimento mais completo da operação e por isso tem a responsabilidade de manter os dados atualizados.

  • Administrador: Usuário responsável pelo gerenciamento dos usuários e COp(s) (Centro de Operações), (cadastro, edição, deleção), monitoramento dos ativos (servidores dos Pacificadores, MUPS – Motorola) e acionamento dos elementos incumbidos de manutenção destes ativos. O usuário administrador deve possuir conhecimento tanto da parte técnica (informática, rede de computadores, comunicações) quanto da operação. Normalmente, esta função é ocupada por um oficial assessorado por praças, oriundos da arma de Comunicações ou temporários da área de informática. O administrador é o elo entre o chefe e os demais usuários. Enquanto o chefe possui o entendimento mais completo da operação, o administrador tem a visão completa do Pacificador e suas ligações com os demais sistemas e por isso tem a responsabilidade de iniciar o processo de resolução de problemas.

  • Operador: Usuário com maior frequência de uso do sistema sendo responsável por adicionar e atualizar informações no sistema Pacificador. As atualizações e adições devem ser realizadas, preferencialmente, com a orientação do usuário chefe.

  • Observador: Usuário com a capacidade de apenas visualizar as informações do sistema, sem a possibilidade de adição ou edição. Normalmente esta função é ocupada por órgãos de alto nível hierárquico, como por exemplo COTER e Ministério da Defesa, ou por elementos de outras agências.

A função ocupada pelo usuário depende e influencia dois fatores, o entendimento da operação e responsabilidade na solução de problemas. A figura abaixo apresenta os limites de cada fator para determinada função.

Ao chefe cabe o alto entendimento da operação para ser capaz de orientar o trabalho do administrador e dos operadores, principalmente no processo de atualização de informações. Devido ao grau hierárquico e da autoridade do militar nesta função, ele possui responsabilidade, no nível médio e alto, para iniciar os procedimentos de solução de problemas, acionando os elementos necessários.
Ao administrador, recai a maior responsabilidade na solução dos problemas, pois tem uma visão mais ampla do sistema e também por ser informado diretamente pelos operadores quando da ocorrência de algum óbice. O nível de entendimento do administrador varia de médio e alto, de acordo com o contato com o chefe.
O operador, devido ao seu uso frequente, tem maior probabilidade de deparar-se com um problema. Como as soluções dependem da intervenção do administrador, a responsabilidade do operador é mediana, baseando-se principalmente em detectar e informar a ocorrência da falha. O entendimento da operação depende da interação com o chefe.
O observador, por não estar diretamente ligado à operação, possui uma responsabilidade baixa na solução de problemas, no entanto, não o exclui da atividade de informar suas ocorrências. O nível de compreensão da operação varia de baixo até alto, de acordo com a frequência de acompanhamento do usuário.

Atribuições e boas práticas

As atribuições consistem em um conjunto de tarefas que cada usuário deve executar para garantir o correto uso e desempenho do Pacificador.
Aliada a esse conjunto existe uma lista de atividades que visa otimizar o uso do Pacificador, caracterizando as boas práticas na utilização do sistema.
As atribuições e as boas práticas são agrupadas nas funções descritas no item Funcões de usuários do Pacificador. e divididas em fases.
Para contribuir no entendimento das funções, atribuições e boas práticas no uso do Sistema Pacificador, a Figura abaixo apresenta uma macrovisão dos processos realizados de acordo com a fase da operação.
O processo referente à Gerência Operacional, a cargo do COTer ou Ministério da Defesa, é descrito com detalhes no Capítulo Gerência Operacional.

Chefe

Atribuições

  • Solicitar permissão de uso do Sistema Pacificador ao COTer ou MD, de acordo com a natureza da operação;

  • Manter atualizado o ambiente de incidentes, orientando os operadores;

  • Manter atualizado o ambiente de sincronização, orientando os operadores;

  • Manter atualizados itinerários e áreas de interesse referente à operação, orientando os operadores;

  • Indicar ao administrador quais COp(s) devem ser criados para cada operação;

  • Informar o término da operação ao COTer ou MD, de acordo com a natureza da mesma.

A frequência com a qual o chefe orienta os operadores na tarefa de atualização do Pacificador depende principalmente de seu perfil, podendo ser mais ou menos centralizador. Entretanto, a responsabilidade pelo gerenciamento dos dados sempre será do chefe.

Boas práticas

  • Ao assumir a função:

    • Identificar suas atribuições;

    • Conhecer as funcionalidades, do nível Chefe, do Sistema Pacificador;

    • Conhecer o(s) administrador(es) do(s) COp(s) empregados na operação.

  • Antes de cada operação:

    • Solicitar permissão de uso do Sistema Pacificador ao COTer ou MD, de acordo com a natureza da operação.

  • Durante operações:

    • Manter contato com o Oficial de Operações (D3, E3, G3, S3 etc) para informar e ser informado sobre o estado das ações;

    • Verificar diariamente a situação das matrizes e respectivas ações no ambiente de Sincronização do Sistema Pacificador;

    • Manter atualizado o estado das ações, garantindo que a situação atual esteja corretamente representada no ambiente de Sincronização. Ações já encerradas devem estar no estado concluída e aquelas já iniciadas devem estar no estado em execução;

    • Identificar junto ao responsável o motivo pelo qual ações encontram-se no estado atrasada;

    • Verificar diariamente a situação dos incidentes no respectivo ambiente do Sistema Pacificador;

    • Manter atualizada a situação dos incidentes, garantindo que a situação atual esteja corretamente representada no ambiente. Incidentes já resolvidos devem estar na situação fechado. Aqueles que já receberam tratamento devem ter as ações realizadas cadastradas;

    • Identificar junto ao relator ou administrador do COp responsável, o motivo pelo qual incidentes antigos não foram tratados ou fechados.

  • No término de cada operação:

    • Verificar se todas as ações planejadas para o período da operação estão concluídas;

    • Caso existam, identificar o motivo das ações que não foram iniciadas ou concluídas;

    • Verificar se todos incidentes relatados no período da operação estão fechados;

    • Caso existam, identificar o motivo dos incidentes que não foram tratados ou fechados;

    • Informar ao(s) administrador(es) o término da operação para que os usuários sejam excluídos;

    • Informar o término da operação ao COTer ou MD, de acordo com a natureza da mesma.

Administrador

Atribuições

  • Gerenciar usuários (criação, edição, deleção e restauração de senha);

  • Gerenciar COp(s) (criação, edição e deleção);

  • Monitorar o ambiente de rádios;

  • Ser o primeiro nível de suporte para os usuários;

  • Solicitar apoio ao CT/CTA/CITEx para solucionar problemas relacionados aos servidores e conectividade;

  • Solicitar apoio a OM de Comunicações responsável pela solução de problemas relacionados ao MasterSite (Motorola);

  • Relatar ao CT/CTA/CITEx ou MD problemas no uso ou oportunidades de melhoria do sistema.

Boas práticas

  • Ao assumir a função:

    • Identificar suas atribuições;

    • Conhecer o chefe do COp;

    • Conhecer o administrador do COp ao qual está subordinado;

    • Conhecer os níveis de suporte;

    • Conhecer e ser capaz de dar suporte a todas funcionalidades do Sistema Pacificador;

    • Possuir o manual do sistema e conhecer o Guia de Soluções de Problemas.

  • No início de cada operação:

    • Identificar ou criar o COp responsável pela operação;

    • Garantir que todos os usuários envolvidos nas operações em andamento estejam cadastrados no COp responsável pela operação ou em algum subordinado a este;

    • Excluir todos usuários cadastrados que não estejam envolvidos em nenhuma operação;

    • Verificar a situação dos planos de dados dos smartphones utilizados na operação;

    • Verificar a situação do rastreamento dos rádios utilizando o respectivo ambiente do Sistema Pacificador.

  • Durante operações:

    • Ao receber uma solicitação de suporte, verificar no Guia de Soluções de Problemas as possíveis soluções no seu nível antes de acionar o escalão superior.

  • No término de cada operação:

    • Excluir todos usuários que estavam associados aos COp(s) responsáveis pela operação.

  • Diariamente ou com a frequência necessária:

    • Identificar e manter atualizado o contato (telefone e e-mail) do chefe e dos administradores do(s) COp(s) subordinado(s) e do COp imediatamente superior;

    • Identificar e manter atualizado o contato (telefone e e-mail) dos responsáveis pelos servidores do Pacificador e rede de dados (CITEx, CTs, CTAs ou MD);

    • Identificar e manter atualizado o contato (telefone e e-mail) dos responsáveis pelo Sistema Rádio Digital Troncalizado (SRDT);

    • Gerenciar os usuários do COp ao qual ele pertence;

    • Garantir que cada COp, subordinado ao seu, tenha pelo menos um usuário administrador;

    • Acessar o sistema para monitorar problemas de conectividade, desempenho, e rastreamento dos agentes;

    • Relatar ao CT/CTA/CITEx ou MD problemas no uso ou oportunidades de melhoria do sistema.

Operador

Atribuições

  • Adicionar, atualizar e deletar informações referentes aos itinerários, áreas de interesse, ações, matrizes e incidentes;

  • Informar ao chefe as informações inseridas ou atualizadas por outros usuários;

  • Reportar ao administrador a ocorrência de algum problema.

Boas práticas

  • Ao assumir a função:

    • Identificar suas atribuições;

    • Conhecer o administrador do COp ao qual pertence;

    • Manter atualizado o contato (telefone e e-mail) do administrador;

    • Conhecer as funcionalidades do Sistema Pacificador.

  • Durante operações:

    • Atualizar os dados da operação no Pacificador;

    • Sempre que possível, verificar junto ao chefe se o evento relatado é um incidente antes de inseri-lo no sistema.

  • Diariamente ou com a frequência necessária

    • Reportar ao administrador a ocorrência de algum problema.

Observador

Atribuições

  • Acessar o sistema para visualizar informações;

  • Reportar ao administrador a ocorrência de algum problema.

Boas práticas

  • Ao assumir a função:

    • Identificar suas atribuições;

    • Conhecer o administrador do COp responsável pela operação que quer acompanhar;

    • Manter atualizado o contato (telefone e e-mail) deste administrador;

    • Solicitar ao administrador, a criação de sua conta de acesso;

    • Conhecer as funcionalidades do Sistema Pacificador.

  • Diariamente ou com a frequência necessária

    • Reportar ao administrador a ocorrência de algum problema;

    • Acessar o sistema para visualizar informações sobre as operações.


O Pacificador Móvel é um aplicativo desenvolvido para dispositivos móveis com sistema operacional Android. Uma de suas finalidades é informar a posição geográfica em tempo real do operador móvel ao Centro de Operações. Essa aplicação também permite que o operador móvel envie incidentes e relatos de situação que serão tratados no Centro de Operações.

Copie o arquivo pacificador_mv.apk para o diretório raiz do smartphone/tablet. Para instalar o aplicativo basta acessar o arquivo pacificador_mv.apk através de uma aplicação de Gerenciamento de Arquivos disponível no celular. Se uma versão anterior do aplicativo já estiver instalada, siga o passo a passo para desinstalar o aplicativo e depois instale a nova versão.

Para que o usuário que esteja utilizando o Pacificador Móvel possa visualizar o mapa sem utilizar o pacote de dados da internet, é necessário copiar previamente os mapas da região da operação. Os mapas estão disponíveis no menu principal do Pacificador, aba de Downloads, opção Mapas. Para carregar os mapas, siga os passos abaixo:

  • baixe o arquivo .RAR de sua região;
  • copie para a raiz do cartão de memória do dispositivo; e
  • utilize o aplicativo unrar_pro para descompactar os mapas.

Verifique se os arquivos seguem a estrutura de pastas osmdroid/tiles/Mapnik com subpastas que podem variar de 0 a 18 de acordo com os níveis de zoom do mapa. Ao navegar por todas as subpastas, haverá pelo menos uma imagem numerada do tipo .png.tile conforme figura abaixo:

Ao iniciar o aplicativo pela primeira vez, pressione o botão físico do smartphone de menu principal, e escolha a opção Configurações

Na tela de configurações, serão exibidos os seguintes campos:

Onde:

  • Número: Insira o número do telefone celular em uso, não esquecendo de adicionar o DDD.
  • GPS (Distância(m) e Tempo) Os campos distância e tempo do GPS são utilizados para configurar a distancia a ser percorrida para que o aplicativo envie uma nova posição (ex: de 50 em 50 metros), e a frequencia de tempo em que se enviará uma nova posição (ex: de 60 em 60 segundos).
  • Servidores: : Na configuração de servidores, o usuário poderá marcar uma dentre as 3 opções que são:
    • Servidor de operação: Esta opção deverá ser marcada quando o aplicativo for utilizado em uma operação real, todas as informações serão enviadas para os servidores de operações reais.
    • Servidor de treinamento: Esta opção deverá ser marcada quando o aplicativo for ser utilizado para fins de treinamento, quando esta opção estiver selecionada, todos os dados serão enviados para servidores de treinamento, e não serão exibidos nos servidores de operações reais.
    • Configurar servidor manualmente: Ao selecionar esta opção, será exibido uma caixa de texto para que o usuário possa entrar com o endereço IP ou DNS do servidor ao qual o usuário deseja se conectar. Utilize essa opção somente sob orientação técnica de seus superiores. Nesta opção o usuário é possível adicionar mais de um endereço de conexão quando necessário, basta clicar no botão Adicionar servidor
Após preencher todas as opções da tela de configuração, o usuário deverá clicar no botão Salvar para que as informações sejam armazenadas.

 

Para desinstalar a aplicação, acesse a tela de configurações do Android, clique em Gerenciador de aplicativos. Selecione o aplicativo Pacificador Móvel e clique no botão Desinstalar, confirme a remoção do aplicativo clicando no botão OK.


Com o objetivo de facilitar o processo de suporte, as atribuições são divididas em níveis, de modo que cada ator seja capaz de tratar os problemas que porventura venham a ocorrer durante a utilização do sistema.
Para o completo entendimento do processo de suporte é necessário o conhecimento dos perfis e atribuições dos usuários que estão descritos nos itens Funcões de usuários do Pacificador e Atribuições e boas práticas.

O processo de suporte ao usuário é dividido em quatro níveis, cada um com responsabilidades bem definidas. Os dois primeiros níveis estão relacionados ao usuário e ao administrador local, tratando principalmente de problemas associados à utilização do sistema. O terceiro nível é responsável por questões técnicas como servidores, infraestrutura de rede, SRDT etc. Os atores neste nível podem ser o CITEx, CT/CTAs, organizações militares responsáveis pelo SRDT e o MD, sendo a participação de cada um deles dependente do tipo da operação.

O principal motivo na divisão de responsabilidades é devido ao gerenciamento da infraestrutura de rede e de seus ativos. Desta maneira, o CITEx, auxiliado pelos CT/CTAs, é o responsável pelo suporte necessário aos usuários que operam na EBNet. Analogamente, a Seção de Telemática – MD é responsável pelos usuários que operam na ROD.
Os pedidos de suporte relacionados ao rastreamento dos rádios são de responsabilidade do CITEx, CT/CTAs e OMs responsáveis pelo SRDT, uma vez que os MasterSites e MUPSyncs estão operando apenas nos sítios instanciados na EBNet.

A figura abaixo mostra, de modo simplificado, o processo de suporte do Pacificador, descrevendo a sequência das atividades e responsáveis para o tratamento dos problemas.

A solicitação de suporte deve ser mantida apenas entre elementos de níveis adjacentes, evitando desta maneira comunicações diretas entre integrantes do Nível 1 com o Nível 4, por exemplo. As principais motivações para esta restrição são a otimização no tempo de atendimento e a capacidade na realização de diagnósticos para investigar as possíveis causas de problemas.

A interação entre os níveis 2 e 3, administrador e organizações técnicas respectivamente, é a apresenta na figura abaixo.

A seguir são listadas as responsabilidades de cada nível de suporte.

Nível 1 - Usuário

      • Conhecer a relação de boas práticas;
      • Conhecer o Guia de Soluções de Problemas;
      • Manter atualizada e secreta sua senha de acesso;
      • Utilizar navegadores Google Chrome ou Mozilla Firefox;
      • Conhecer o endereço correto de acordo com o tipo de operação, conforme a tabela abaixo;
        Endereço de acesso
        Tipo de operação Rede utilizada Endereço de acesso
        Singular (Exército Brasileiro) EBNet pacificador.eb.mil.br
        Singular (MB ou FAB) ROD pacificador.defesa.mil.br
        Conjunta EBNet pacificador.eb.mil.br
        Conjunta ROD pacificador.defesa.mil.br
      • Verificar as exceções de proxy do navegador;

      • Conhecer o administrador local; e

      • Solicitar apoio ao administrador local para solucionar problemas.


Nível 2 - Administrador local

      • Conhecer a relação de boas práticas;
      • Conhecer o Guia de Soluções de Problemas;

      • Gerenciar usuários (criação, edição, deleção e restauração de senhas);

      • Gerenciar COPs (criação, edição e deleção);

      • Monitorar ambiente de rádios;

      • Manter atualizado o ambiente de incidentes;

      • Manter atualizado o ambiente de sincronização;

      • Ser o primeiro nível de suporte para os usuários;

      • Solicitar apoio à organização técnica responsável a qual estiver subordinada (CITEx e CT/CTAs no caso da EBNet, Seção de Telemática no caso da ROD) para solucionar problemas; e

      • Relatar à organização técnica responsável a qual estiver subordinada (CITEx e CT/CTAs no caso da EBNet, MD no caso da ROD) bugs ou oportunidades de melhoria do sistema.


A responsabilidade no atendimento aos pedidos de suporte de Nível 3 depende do tipo de operação e rede utilizada, conforme a tabela abaixo:

Responsabilidade de suporte nível 3
Tipo de operação Rede utilizada Responsável
Singular (Exército Brasileiro) EBNet CITEx, CTs e CTAs
Singular (MB e FAB) ROD Ministério da Defesa
Conjunta EBNet CITEx, CTs e CTAs
Conjunta ROD Ministério da Defesa


Nível 3 - Organização Técnica (CITEx, CTs e CTAs)

      • Conhecer a relação de boas práticas;
      • Conhecer o Guia de Soluções de Problemas;

      • Manter e monitorar os enlaces, na EBNet, entre:

        • usuários e os servidores do Pacificador;

        • MasterSites e os MUPSyncs;

        • VMs e ativos de rede (DMZ e MZ);

        • sítios da EBNet (contingência entre sítios);

        • servidores instalados no CITEx e MD (EBNet/ROD); e

        • proxy reverso e VMs.

      • Solicitar apoio ao Centro de Desenvolvimento de Sistemas (CDS) para solucionar problemas que não forem solucionados pelo seu nível (nível 3 – Organização Técnica);

      • Informar ao CDS oportunidades de melhoria do sistema (novas funcionalidades, otimizações, bugs, ...);


Nível 3 - Organização Técnica (OM de Comunicações responsável pelo SRDT)

      • Conhecer a relação de boas práticas;
      • Conhecer o Guia de Soluções de Problemas;

      • Manter e monitorar o MasterSite;

      • Gerenciar o cadastramento de rádios que devem ser rastreados;

      • Monitorar o estado de bateria dos GPS dos rádios, se for o caso; e

      • Garantir que o servidor MUPs esteja fornecendo corretamente a localização dos rádios.


Nível 3 - Organização Técnica (Ministério da Defesa)

      • Conhecer a relação de boas práticas;
      • Conhecer o Guia de Soluções de Problemas;

      • Manter e monitorar os enlaces, na ROD, entre:

        • usuários e os servidores do Pacificador;

        • VMs e ativos de rede (DMZ e MZ);

        • servidores instalados no CITEx e MD (EBNet/ROD);

        • proxy reverso e VMs;

      • Solicitar apoio ao Centro de Desenvolvimento de Sistemas (CDS) para solucionar problemas que não forem solucionados pelo seu nível (nível 3 – Organização Técnica); e

      • Informar ao CDS oportunidades de melhoria do sistema (novas funcionalidades, otimizações, bugs, ...).


Nível 4 - CDS

    • Corrigir bugs reportados pelas organizações técnicas; e

    • Realizar evolução do sistema, quando necessário.

Fruto das experiências colhidas nos eventos nos quais o Sistema Pacificador foi empregado, foi elaborado um conjunto das solicitações de suporte mais comuns. A seguir são apresentados os sintomas e as ações que podem ser realizadas pelo usuário, administrador e organizações técnicas com o objetivo de solucionar eventuais problemas. As ações são agrupadas de acordo com os níveis de suporte.

Sintoma

O navegador não carrega a página principal, apresentando mensagens do tipo “página não encontrada”.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Verificar se o endereço do servidor (pacificador.eb.mil.br ou pacificador.defesa.mil.br) está digitado corretamente;
      2. Confirmar com o administrador local, se o servidor está ativo;
      3. Verificar as exceções de proxy do navegador para o endereço do servidor do Pacificador;
      4. Solicitar suporte ao administrador local;

Nível 2 - Administrador

      1. Solicitar suporte ao CT/CTA/CITEx ou MD;

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Verificar se o endereço do servidor está correto;
    2. Verificar se o servidor está ativo;
    3. Verificar as conexões de rede entre o servidor e os clientes;
    4. Reiniciar os servidores do Pacificador;
    5. Solicitar suporte ao CDS;
Sintoma

A mensagem “Login incorreto” é exibida.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Verificar se o campo login está preenchido com e-mail ou CPF (apenas número);
      2. Caso o usuário não lembre a senha, entrar em contato com o administrador local para solicitar que a mesma seja restaurada;
      3. Solicitar suporte ao administrador;

Nível 2 - Administrador

      1. Verificar se o usuário está cadastrado;
      2. Caso o usuário não lembre a senha, restaurá-la;
      3. Solicitar suporte ao CT/CTA/CITEx ou MD;

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Reiniciar o servidor do Pacificador;
    2. Solicitar suporte ao CDS;
Sintoma

A área de mapas fica preenchida de quadrados cinzas.

Solução

Nível 1 - Usuário

Nível 2 - Administrador

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Verificar a conexão com os servidores via EBNet e ROD;
    2. Verificar a conexão entre os servidores de mapas e a Internet;
    3. Solicitar suporte ao CDS;
Sintoma

A mensagem “Senha Incorreta” é exibida.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Verificar se a conexão de dados está ativa;
      2. Testar o acesso a qualquer página da Internet (google.com, globo.com etc);
      3. Verificar as URLs cadastradas na tela de configurações (citex.pacificador.eb.mil.br2cta.pacificador.eb.mil.brmd.pacificador.defesa.mil.br;
      4. Verificar se o campo login está preenchido com e-mail ou CPF (apenas número);
      5. Caso o usuário não lembre a senha, entrar em contato com o administrador local para solicitar que a mesma seja restaurada;
      6. Solicitar suporte ao administrador;

Nível 2 - Administrador

      1. Verificar se o usuário está cadastrado;
      2. Caso o usuário não lembre a senha, restaurá-la;
      3. Solicitar suporte ao CT/CTA/CITEx ou MD;

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Verificar as configurações dos proxies reversos;
    2. Verificar se o endereço do servidor de destino está correto;
    3. Verificar se o servidor está ativo;
    4. Reiniciar o servidor do Pacificador;
    5. Solicitar suporte ao CDS;
Sintoma

A aplicação é encerrada.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Verificar se existe espaço no cartão de memória;
      2. Liberar espaço no cartão de memória;
      3. Solicitar suporte ao administrador;

Nível 2 - Administrador

    1. Reinstalar o aplicativo Pacificador Móvel;
    2. Trocar o aparelho e/ou o cartão de memória;
Sintoma

A mensagem “Login Incorreto” é exibida, independente do usuário.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Solicitar suporte ao administrador;

Nível 2 - Administrador

      1. Verificar se o servidores do Pacificador estão ativos;
      2. Solicitar suporte ao CT/CTA/CITEx ou MD;

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Reiniciar os servidores do Pacificador;
    2. Solicitar apoio ao CDS;
Sintoma

Os ícones não são exibidos na tela.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Solicitar suporte ao administrador;

Nível 2 - Administrador

      1. Verificar o ambiente de monitoramento de rádios;
      2. Solicitar suporte ao CT/CTA/CITEx;

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Verificar a conexão de rede entre os servidores MUPSync com o MasterSite da Motorola;
    2. Verificar regras de segurança para a porta 21999 (TCP), utilizada na conexão MUPSync/MUPS;
    3. Verificar na aplicação do MUPS no MasterSite se os rádios possuem coordenadas geográficas;
    4. Verificar se os rádios que devem ser rastreados estão com o IDs cadastrados no MUPS;
    5. Solicitar apoio ao CDS;
Sintoma

Os ícones não são exibidos na tela.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Solicitar suporte ao administrador;

Nível 2 - Administrador

      1. Confirmar se o usuário está logado no sistema, ligando para ele. Apenas usuários logados são rastreados;
      2. Solicitar suporte ao CT/CTA/CITEx ou MD;

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Verificar as configurações dos proxies reversos;
    2. Reiniciar os servidores do Pacificador;
    3. Solicitar apoio ao CDS;
Sintoma

O ícone não é exibido na tela.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Verificar a bateria do rádio e do GPS;
      2. Verificar se o local é coberto (interior de instalações, túnel etc);
      3. Solicitar suporte ao administrador;

Nível 2 - Administrador

      1. Verificar o ambiente de monitoramento de rádios;
      2. Solicitar suporte ao CT/CTA/CITEx;

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Verificar na aplicação MUPS no MasterSite se o rádio possui coordenadas geográficas;
    2. Verificar se o rádio está com o ID cadastrado no MUPS;
    3. Solicitar suporte ao CDS;
Sintoma

O ícone não é exibido na tela.

Solução

Nível 1 - Usuário

      1. Verificar se a conexão de dados está ativa;
      2. Testar o acesso a qualquer página da Internet (google.com, globo.com etc);
      3. Verificar se o local é coberto (interior de instalações, túnel etc);
      4. Verificar, na aba de configurações do Pacificador Móvel, o intervalo de tempo e distância para atualização de posição;
      5. Solicitar suporte ao administrador;

Nível 2 - Administrador

      1. Confirmar se o usuário está logado no sistema, ligando para ele. Apenas usuários logados são rastreados;
      2. Solicitar suporte ao CT/CTA/CITEx ou MD;

Nível 3 - Organizações técnicas

    1. Verificar as configurações dos proxies reversos;
    2. Solicitar suporte ao CDS;

Qualquer problema ou sintoma não descritos devem ser apresentados ao CDS através a cadeia de suporte, isto é, Usuário - Administrador - Organizações técnicas - CDS.


Características

  • Sistema Web: para plataforma desktop
  • Aplicativo para Android: para plataforma móvel (smartphones e tablets);
  • Ferramentas open source
  • Sistema operacional Linux (Ubuntu Server 12.04 LTS)
  • Servidores virtualizados
  • Replicação de dados: acesso a partir de qualquer servidor

Arquitetura em alto nível

Localização dos servidores

A utilização do Sistema Pacificador é suportado pelos ambientes de produção e de treinamento. No primeiro caso, ele é usado com o objetivo de apoiar operações singulares, conjuntas e de adestramento, com o acesso realizado através de pacificador.eb.mil.br, para usuários da EBNet, e de pacificador.defesa.mil.br, para usuários da ROD.
O processo de utilização do ambiente de produção inicia-se com a solicitação ao administrador do sistema, que pode ser tanto o COTer quanto o Ministério da Defesa. Nesta etapa o demandante verifica junto ao escalão superior a possibilidade de uso do Pacificador e de acordo com a resposta, ações de gerência de usuários e COPs são realizadas.
Para utilização em operações singulares da Força Terreste, a solicitação deve ser feita ao COTer enquanto que para as demais forças, o pedido deve ser ser feito ao Ministério da Defesa.

O ambiente de treinamento é utilizado como ferramenta para instruções do sistema, não tendo as bases de dados replicadas entre os sítios. Seu acesso é realizado atraveś de treinamento.pacificador.eb.mil.br, para usuários da EBNet, e de treinamento.pacificador.defesa.mil.br, para usuários da ROD.
Para utilização deste ambiente, o demandante solicita a criação de um usuário com perfil de administrador à organização técnica que lhe presta suporte, podendo ser CITEx, CT, CTA para acesso via EBNet ou MD para aqueles operando na ROD. A partir desta a criação, o responsável pode gerenciar o usuários que executarão o treinamento.
Os processos para uso em operações singulares e de treinamento estão apresentados na figura abaixo.

O gerenciamento do Pacificador é o conjunto de atividades, divididas nas áreas operacional e técnica, que visam garantir a utilização e o funcionamento do sistema da forma correta .
A esfera técnica, executada pelo CITEx, CTs, CTAs e MD (Seção de Telemática), é composta pelas tarefeas de monitoramento das máquinas virtuais, servidores e infraestrutura de rede, citadas nas responsabilidades de nível de 3 citadas no Capítulo Suporte.
Já as ações de caráter operacional, sob responsabilidade do COTer e MD, podem ser definidas como atividades de gerência de usuários e COPs.
Por ser um sistema em uso tanto em operações singulares, conjuntas e de adestramento, o Pacificador é estruturado de forma que permita a independência, sigilo e autonomia de uso para seus usuários. Para atingir estes objetivos, sua estrutura organizacional é dividida pelos nós principais, Operações SingularesAdestramento e Operações Conjuntas, totalmente independente entre eles. Esta organização só está presente no ambiente de produção. A figura abaixo apresenta a estrutura organizacional inicial do Pacificador.

O primeiro nó contém os centros de operações com seus usuários, ações, incidentes relatados etc, empregados nas atividades executadas pela Força Terrestre no contexto de operações singulares. Inicialmente, este COp têm como subornidados os comandos militares de área.
O nó Adestramento apresenta a mesma estrutura do Operações Singulares porém a sua finalidade é apoiar atividades de treinamento, portanto toda informação registrada não é oriunda de operações reais.
Por último, o Ministério da Defesa controla a estrutura do nó Operações Conjuntas.
Cada um destes nós principais deve possuir pelo menos 2 (dois) usuários com o perfil de administrador para ser capaz de realizar as tarefas de gerenciamento de usuários e COPs.
A Tabela abaixo resume as finalidades e os responsáveis por cada nó principal do Pacificador.

Finalidade Administrador
Operações Singulares enquadrar todos COPs, usuários e registros referentes às operações reais da Força Terrestre COTer
Adestramento enquadrar todos COPs, usuários e registros referentes às operações de adestramento da Força Terrestre COTer
Operações Conjuntas enquadrar todos COPs, usuários e registros referentes às operações conjuntas Ministério da Defesa

Cabe ressaltar que a estrutura organizacional apresentada permite a delegação da gerência operacional aos COPs subornidados, inicialmente indicados pelos comandos militares de área. Por exemplo, operações singulares ou de adestramento ocorrendo na cidade do Rio de Janeiro - RJ podem ter seus usuários e COPs administrados diretamente pelo CML.
É importante que a criação de COPs a partir dos nós principais seja acompanhada da designação do seu administrador. Desta forma, cabe aos administradores dos nós Operações SingularesAdestramento e Operações Conjuntas determinar os responsáveis por cada centro subordinado.

registrado em:
Fim do conteúdo da página